Fausto (traduzido por Agostinho de Ornelas)/XVI

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
JARDIM DE MARTHA
 
Margarida, Fausto
 
MARGARIDA

Henrique, tu promettes?

 
FAUSTO

Quanto eu possa.

 
MARGARIDA

Se tens religião saber quizera;
És bom deveras, sei, mas imagino
Que não guardas a fé.

 
FAUSTO

Não falles nisso,
Vida minha, bem sabes quanto te amo,
Por meu amor o sangue e vida dera;
A ninguem roubar quero o sentimento,
A fé na sua Egreja.

 
MARGARIDA

Isso não basta,
Deve-se crer tambem.

FAUSTO

Devido o julgas?

 
MARGARIDA

Se comtigo podesse alguma cousa!
Não respeitas os santos sacramentos.

 
FAUSTO

Respeito, sim.

 
MARGARIDA

Mas sem amor. Ha muito
Que á missa não vais, nem te confessas;
Acreditas em Deus?

 
FAUSTO

Quem póde, filha,
Dizer eu acredito em Deus? Pergunta
Aos padres e aos sabios, a resposta
Parece escarnecer de quem pergunta.

 
MARGARIDA

Então não crês?

 
FAUSTO

Entende o que te digo,
Anjo, anjo do ceu. Quem é que ousa
A dar-lhe um nome e a affirmar se attreve
«Eu acredito nelle.» E quem sentindo,
A dizer se abalança «não, não creio?

O que tudo contem, que tudo anima,
A mim,a ti e a si contem e anima.
Dos ceus não vês além curvar-se a abobada,
E firme a nossos pés não jaz a terra?
Com amoroso olhar astros eternos
Não se elevam? Não cravo nos teus olhos
Os meus, e penetrar em ti não sentes
Na mente e coração todo o Universo,
Que, arcano insondavel, se desdobra
Visivel e invisivel de ti junto?
Com esse sentimento o peito inunda
E quando nelle immêersa te sentires,
O nome então lhe dá que mais quizeres:
Delicia, coração, ou Divindade! -
Nome não acho, o sentimento é tudo,
O nome é rumor vão, o nome é fumo,
Que o brilho dos ceus tolda e offusca!

 
MARGARIDA

Tudo isso é mui bom, muito bonito,
Quasi que diz o mesmo o nosso padre,
Mas por outras palavras.

 
FAUSTO

Dil-o tudo!
Todos os corações que o Sol aquece,
Na lingua cada um que lhe foi dada,
Dizel-o posso eu tambem -na minha,

 
MARGARIDA

E sôa muito bem quando se ouve,
Mas algum erro nisso entra por força,.
Pois não és bom Christão.

 
FAUSTO

Luz da minh'alma.

 
MARGARIDA

Ha muito tempo que me doe o vêr-te
Em companhia

 
FAUSTO

De quem é?

 
MARGARIDA

Do homem
Que sempre anda comtigo, e que aborreço
Do fundo de minh'alma. Em toda a vida,
Nada no coração me deu tal golpe,
Como a sua figura repellente.

 
FAUSTO

Meu coração, não tenhas delle mêdo.

 
MARGARIDA

Ferve-me o sangue, se o vejo perto;

E p'ra todos os mais sou sempre bôa!
Mas assim como só por ver-te morro,
Assim pavor occulto elle me causa,
E por malvado o tenho só por isso.
Deus me perdoe, se sou com elle injusta.

 
FAUSTO

Neste mundo é mister que haja de tudo.

 
MARGARIDA

Com similhante homem não quizera
Um instante viver. Se a porta cruza,
Olha p'ra tudo como escarnecendo
E quasi enfurecido. Vê-se logo
Que não o int'ressa nada, que não pode
Ter amor a ninguem. Dando-te o braço
Tão ditosa me sinto, e á vista delle
Confrange-se -me o peito.

 
FAUSTO

Tens meu anjo
Algum pressentimento.

 
MARGARIDA

Este horror tanto
Me possue, que se elle a nós se chega,
Acho que não te amo, e quando o vejo

Nunca posso resar. Isto magôa-me
Immenso; has de sentir o mesmo, Henrique.

 
FAUSTO

É uma antipathia.

 
MARGARIDA

Agora vou-me.

 
FAUSTO

Ai, pois não poderei nunca tranquillo,
Repousar um instante em teu regaço,
E o peito ao peito, a alma unir á alma?

 
MARGARIDA

Se dormisse sosinha, mui gostosa
O ferrolho te abrira hoje de noite;
Mas a mãe tem o somno muito leve
E se ella nos visse, eu morreria.

 
FAUSTO

Isso, meu amorsinho, não estorva.
Aqui tens este frasco; só tres gotas,
Que no copo lhe deites, a sepultam
Em somno bem profundo.

 
MARGARIDA

O que não faço

Eu por amor de ti? Mas estas gotas
Não farão mal algum.

 
FAUSTO

Pois de outro modo
Ousára aconselhal-o ?

 
MARGARIDA

Em eu te vendo,
Não sei que força, homem da minh'alma,
Me move a teu capricho. Tenho feito
Tanto por ti, que me não resta quasi
Mais que fazer.

 

(Sáe.)

 
(Entra Mephistopheles.)
 
MEPHISTOPHELES

A macaquinha foi-se?

 
FAUSTO

Estiveste outra vez espionando ?

 
MEPHISTOPHELES

Ouvi perfeitamente o que se disse,
Foi o senhor Doutor cathechisado;
Bom proveito lhe faça, é o meu desejo.
Tem o maior empenho as raparigas
Em devotos nos ver á antiga moda;

Se nisto se dobrar, cogitam ellas,
Em tudo o mais é nosso.

 
FAUSTO

Monstro infame,
Não vês como s'afflige aquella santa,
Cheia de sua crença, que imagina
Unica ser que os homens salvar pode,
Porque julga perdido o que mais ama?

 
MEPHISTOPHELES

Tu ideal e sensual amante,
Pelo nariz te leva uma creança!

 
FAUSTO

Aborto singular de lama e fogo!

 
MEPHISTOPHELES

E de physionomia entende a palmos.
Quando me vê, não sabe o que em si sente,
Lê-me na face occulta pravidade,
Percebe que hei de ser de certo um genio
E talvez o diabo. Então à noite?

 
FAUSTO

E que te importa?

 
MEPHISTOPHELES

Tenho gosto nisso.