Glosa

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Glosa
por Fernando Pessoa
Poema publicado em Poesias Inéditas


Minha alma sabe-me a antiga
Mas sou de minha lembrança,
Como um eco, uma cantiga.

Bem sei que isto não é nada,
Mas quem dera a alma que seja
O que isto é, como uma estrada.

Talvez eu fosse feliz
Se houvesse em mim o perdão
Do que isto quase diz.

Porque o esforço é vil e vão,
A verdade, quem a quis?
Estuta só, meu coração.