História da Província de Santa Cruz/VI

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
História da Província de Santa Cruz por Pero de Magalhães Gândavo
Capítulo VI: Dos animaes e bichos venenosos que ha nesta provincia


Como esta Provincia seja tão grande e a maior parte della inhabitada e cheia de altissimos arvoredos, e espessos matos, nam he d'espantar que haja nella muita diversidade de animaes, e bichos mui feros e venenosos, pois cá entre nós, com ser terra já tam cultivada e possuida de tanta gente, ainda se crião em brenhas cobras mui grandes de que se contão cousas mui notaveis, e outros bichos e animaes mui danosos, esparzidos por charnecas e matos, a que os homens com serem tantos e matarem sempre nelles, nam podem acabar de dar fim, como sabemos. Quanto mais nesta Provincia, onde os climas e qualidades dos ares terrestres, nam são menos dispostos para os gerarem, do que a terra em si, pelos muitos matos que digo, acomodada pera os criar.

Porem de quanta immundicia e variedade de animaes por ella espalhou a natureza, nam havia lá nenhuns domesticos, quando começaram os Portuguezes de a povoar. Mas depois que a terra foi delles conhecida, e vieram a entender o proveito da criaçam que nesta parte podião alcançar, começarão-lhe a levar da ilha do Cabo Verde cavalos e egoas, de que agora ha já grande creaçam em todas as Capitanias desta Provincia. E assi ha tambem grande copia de gado que da mesma ilha foi levado a estas partes, principalmente do vacum ha muita abundancia, o qual pelos pastos serem muitos, vai sempre em grande crescimento. Os outros animaes que na terra se acharão todos são bravos de natureza, e alguns estranhos nunca vistos em outras partes: dos quaes darei aqui logo noticia começando primeiramente por aquelles que na terra se comem, de cuja carne os moradores são mui abastados em todas as Capitanias.

Ha muitos veados e muita soma de porcos de diversas castas, convem a saber, ha monteses como os desta terra: e outros mais pequenos que tem o embigo nas costas de que se mata na terra grande quantidade; e outros que comem e criam em terra, e andão debaixo dagua o tempo que querem: aos quaes, como corrão pouco por causa de terem os pés compridos e as mãos curtas, proveo a natureza de maneira que podessem conservar a vida debaixo da mesma agua, aonde logo se lanção de mergulho, tanto que vem gente, ou qualquer outra cousa de que se temam, e assi a carne destes como a dos outros he muito sabrosa e tam sádia que se manda dar aos enfermos, porque pera qualquer doença he proveitosa e nam faz mal a nenhuma pessoa.

Tambem ha uns animaes na terra a que chamam Antas, que são de feição de mulas, mas nam tam grandes, e tem o focinho mais delgado, e hum beiço comprido á maneira de tromba. As orelhas são redondas e o rabo nam muito comprido: e são cinzentas pelo corpo, e brancas pela barriga. Estas Antas nam sáem a pacer sinam de noite, e tanto que amanhece metem-se em alguns bréjos, ou na parte mais secreta que achão e ali estão o dia todo escondidas como aves noturnas a que a luz do dia he odiosa, até que anoitecendo, tornão outra vez a sair e a pacer por onde querem como he seu costume. A carne destes animaes tem o sabor como da vaca, da qual parece que se nam differença cousa alguma.

Outros animaes ha a que chamão Cotias, que são do tamanho de lebres; e quasi tem a mesma semelhança, e sabor. Estas cotias são ruivas, e tem as orelhas pequenas, e o rabo tam curto que quasi se nam enxerga. Ha tambem outros maiores a que chamam Pacas, que tem o focinho redondo, e quasi da feição do gato, e o rabo como o da Cotia. São pardas, e malhadas de pintas brancas por todo o corpo. Quando querem guiza-las pera comer, pelão-nas como leitam, e nam nas esfolão, porque tem hum couro mui tenro e saboroso, e a carne tambem he muito gostosa e das melhores que ha na terra.

Outros ha tambem nestas partes muito pera notar, e mais fora da commum semelhança dos outros animaes, (a meu juizo) que quantos até agora se tem visto. Chamam-lhe Tatús, e são quasi tamanhos como Leitões: tem hum casco como de Cágado, o qual he repartido em muitas juntas como laminas, e proporcionados de maneira, que parece totalmente um cavalo armado. Tem hum rabo comprido todo coberto do mesmo casco: o focinho he como de leitam, ainda que mais delgado algum tanto, e nam bota mais fóra do casco que a cabeça. Tem as pernas baixas, e crião-se em covas como coelhos. A carne destes animaes he a melhor, e a mais estimada que ha nesta terra, e tem o sabor quasi como de galinha.

Ha tambem coelhos como os de cá da nossa Patria de cujo parecer nam differem cousa alguma.

Finalmente que desta e de toda a mais caça de que acima tratei participão (como digo) todos os moradores, e mata-se muita della á custa de pouco trabalho em toda parte querem: porque nam ha lá impedimento de coutadas, como nestes Reinos, e hum só Indio basta, se he bom caçador, a sustentar huma casa de carne no mato, ao qual nam escapa hum dia por outro que nam mate porco ou veado, ou qualquer outro animal destes de que fiz menção.

Outros animaes ha nesta Provincia mui feros e prejudiciaes a toda esta caça, e ao gado dos moradores: aos quaes chamam Tigres, ainda que na terra a mais da gente os nomea Onças: mas algumas pessoas que os conhecem e os virão em outras partes, affirmão que sam Tigres. Estes animaes parecem-se naturalmente com gatos, e nam differem delles em outra cousa; salvo na grandeza do corpo porque alguns são tamanhos como bezerros e outros mais pequenos. Tem o cabello dividido em varias e distintas cores, convem a saber, em pintas brancas, pardas e pretas. Como se achão famintos entrão nos curraes do gado e matão muitas vitellas, e novilhos que vão comer ao mato, e o mesmo fazem a todo o animal que podem alcançar. E pelo conseguinte quando se vem perseguidos da fome, tambem cometem aos homens, e nesta parte são tam ousados, que já aconteceu trepar-se um Indio a huma arvore por se livrar de hum destes animaes que o hia seguindo, e pôr-se o mesmo Tigre ao pé da arvore, nam bastando a espanta-lo alguma gente que acudio da povoaçam aos gritos do Indio, antes a todos os medos se deixou estar muito seguro guardando sua preza até que sendo noite se tornaram outra vez sem ouzarem de lhe fazer nenhuma offensa, dizendo ao Indio que se deixasse estar, que elle se enfadaria de o esperar, e quando veio pela manhã (ou porque o Indio se quiz descer parecendo-lhe que o Tigre era já ido, ou por acertar de cair per algum desastre, (ou pela via que fosse) nam se achou ahi mais delle que os ossos. Porem pelo contrario, quando estão fartos sam mui cobardes, e tam pusilanimes que qualquer cão que remete a elles, basta a faze-los fugir: algumas vezes acossados do medo se trepam a huma arvore e ali se deixam matar ás frechadas sem nenhuma resistencia. Emfim que a fartura superflua, nam somente apaga a prudencia, a fortaleza do animo, e a viveza do engenho ao homem, mais ainda aos brutos animaes inabilita e faz incapazes de uzarem de suas forças naturaes posto que tenham necessidade de as exercitarem pera defençam de sua vida.

Outro genero de animaes ha na terra, a que chamão Cerigoês, que são pardos e quasi tamanhos como raposas: os quaes tem huma abertura na barriga ao comprido, de maneira que de cada banda lhes fica hum bolço onde trazem os filhos metidos. E cada filho tem sua teta pegada na boca, da qual a nam tirão nunca até que se acabão de criar. Destes animaes se affirma que nam concebem nem geram os filhos dentro da barriga senam em aquelles bolços, porque nunca de quantos se tomarão se achou algum prenhe. E alem disto ha outras conjeturas mui provaveis por onde se tem por impossivel parirem os taes filhos como todos os outros animaes (segundo a ordem da natureza) parem os seus. Hum certo animal se acha tambem nestas partes, a que chamam Preguiça (que he pouco mais ou menos do tamanho destes) o qual tem hum rosto feio, e humas unhas muito compridas quasi como dedos. Tem uma gadelha grande no toitiço que lhe cobre o pescoço, e anda sempre com a barriga lançada pelo chão sem nunca se levantar em pé como os outros animaes; e assi se move com passos tam vagarosos que ainda que ande quinze dias aturados, nam vencerá distancia de hum tiro de pedra. O seu mantimento he folhas de arvores e em cima dellas anda o mais do tempo, aonde ha pelo menos mister dous dias pera subir e dous pera descer. E posto que o matem com pancadas nem que o persigam outros animaes, nam se menea huma hora mais que outra.

Outro genero de animaes ha na terra, a que chamão Tamandoás que serão tamanhos como carneiros, os quaes são pardos e tem hum focinho muito comprido e delgado pera baixo; a boca nam tem rasgada como a dos outros animaes, e he tam pequena, que escassamente caberão por ella dous dedos: tem huma lingoa muito estreita e quasi de tres palmos em cumprido. As femeas tem duas tetas no peito como de mulher, e o ubre lançado em cima do pescoso entre as pás, donde lhes desce o leite ás mesmas tetas com que criam os filhos. E assi tem mais cada um delles duas unhas em cada mão, tam compridas como grandes dedos, largas á maneira de escouparo. Tambem pelo conseguinte tem hum rabo mui cheio de sedas, e quasi tam compridas com as de hum cavallo. Todos estes extremos que se achão nestes animaes, são necessarios pera conservaçam de sua vida, porque nam comem outra cousa sinam formigas. E como isto assi seja vão-se com aquellas unhas arranhar nos formigueiros onde as ha, e tanto que as tem agravadas lanção a lingoa fóra e poem-na ali naquella parte onde arranharão, a qual como se enche dellas recolhem pera dentro da boca, e tantas vezes fazem isto, até que se acabão de fartar. E quando se querem agazalhar ou esconder de alguma cousa, levantão aquelle rabo e lansão-no por cima de si, debaixo de cujas sedas ficão todos cobertos sem se enxergar delles cousa alguma.

Bogios ha na terra muitos e de muitas castas como já se sabe: e por serem tam conhecidos em toda a parte nam particularizei aqui suas propriedades tanto por extenso. Somente tratarei em bréves palavras alguma cousa destes de que particularmente entre os outros se pode fazer mençam.

Ha uns ruivos, nam muito grandes que derramam de si hum cheiro mui suave a toda a pessoa que a elles se chega, e se os tratão com as mãos, ou se acertão de suar, ficão muito mais odoriferos e lançam o cheiro a todos os circunstantes: destes ha mui poucos na terra, e nam se achão sinam pelo sertão dentro muito longe.

Outros ha pretos maiores que estes, que tem barba como homem, os quaes são tam atrevidos, que muitas vezes acontece frécharem os Indios alguns, e elles tirarem as fréchas do corpo com suas proprias mãos, e tornarem a arremessa-las a quem lhes atirou. Estes são mui bravos de natureza, e mais esquivos de todos quanto ha nestas partes.

Ha tambem huns pequeninos pela costa, de duas castas pouco maiores que dóninhas, a que commummente chamão Sagois, convem a saber, ha uns louros, e outros pardos: os louros tem um cabello muito fino, e na semelhança do vulto e feição do corpo quasi se querem parecer com leão: são muito fermosos e nam os ha sinam no Rio de Janeiro. Os pardos se achão dahi para o Norte em todas as mais Capitanias. Tambem são muito apraziveis, mas nam tam alegres, á vista como estes. E assim huns como outros são tam mimosos e delicados de sua natureza, que como os tiram da patria e os embarcam pera este Reino tanto que chegam a outros ares mais frios quasi todos morrem no mar, e nam escapa sinam algum de grande maravilha.

Ha tambem pelo mato dentro cobras mui grandes e de muitas castas a que os Indios dão diversos nomes, conforme as suas propriedades. Humas ha na terra tam disformes de grandes, que emgolem um veado, ou qualquer outro animal simelhante todo inteiro. E isto nam he muito pera espantar, pois vemos que nesta nossa patria, ha hoje em dia cobras bem pequenas, que engolem huma lebre ou coelho da mesma maneira tendo um cólo que á vista parece pouco mais grosso que hum dedo: e quando vem a engolir estes animaes alarga-se, e dá de si de maneira, que passão por elle inteiros, e assi os estão sorvendo até os acabarem de meter no bucho, como entre nós he notorio. Quanto mais estoutras de que trato, que por razam de sua grandeza fica parecendo a quem nas vio menos difficultoso engolirem qualquer animal da terra por grande que seja. Outras ha doutra casta differente não tam grandes como estas: mas mais venenosas: as quaes têm na ponta do rabo huma cousa que sôa quasi como cascavel, e por onde quer que vão sempre andão rugindo e os que as ouvem têm cuidado de se guardarem dellas.

Além destas ha outras muitas na terra, doutras castas diversas, que aqui nam refiro por escusar prolixidade, as quaes pela maior parte são tam nocivas e peçonhentas, (especialmente humas a que chamam Geraracas) que se acertão de morder alguma pessoa de maravilha escapa, e o mais que dura são vinte e quatro horas.

Tambem ha Lagartos mui grandes pelas lagôas e rios de agua doce, cujos testiculos cheiram melhor que almisquere; e a qualquer roupa que os chegam, fica o cheiro pegado por muitos dias.

Outros muitos animaes e bichos venenosos ha nesta Provincia, de que nam trato, os quaes são tantos em tanta abundancia, que seria historia mui comprida nomea-los aqui todos, e tratar particularmente da natureza de cada hum, havendo, como digo, infinidade delles nestas partes, aonde pela disposição da terra, e dos climas que a senhorêão, nam pode deixar de os haver. Porque como os ventos que procedem da mesma terra se tornem inficionados das podridões das hervas, matos e alagadiços geram-se com a influencia do Sol que nisto concorre, muitos e mui peçonhentos, que per toda a terra estão esparzidos, e a esta causa se crião e achão nas partes maritimas, e pelo sertão dentro infinitos da maneira que digo.