João Ferreira de Almeida (1819)/Mattheus/XIII

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
  1. E SAINDO Jesus de casa aquelle dia, assentou se junto a o mar:
  2. E chegaraõ se a elle tantas companhas, que entrando em hum barco, se assentou nelle; e toda a companha estava na praya,
  3. E faloulhes muytas cousas por parabolas, dizendo: Eis que o Semeador sahio a semear.
  4. E semeando elle, caiu huã parte da semente junto a o caminho, e viéraõ as aves e a coméraõ.
  5. E outra parte cahio em pedregaes, onde naõ tinha muyta terra, e logo naceo, porque naõ tinha terra funda.
  6. Mas saindo o sol, queimou se; e porque naõ tinha raiz, secou se.
  7. E outra parte cahio em espinhos, e os espinhos crecéraõ e a afogaraõ.
  8. E outra parte cahio em boa terra, e deu fruito, hum cento, outro sessenta, e outro trinta.
  9. Quem tem ouvidos pera ouvir, ouça.
  10. E chegandose a elle os Discipulos, disseraõ lhe: porque lhes fallas por parabolas?
  11. E respondendo elle, disselhes: Porque a vos he dado saber os mysterios do Reyno dos ceos, mas a elles naõ lhes he dado.
  12. Porque a quem tem, lhe será dado, e terá em abundancia; mas a quem naõ tem, até aquilo que tem lhe será tirado.
  13. Por isso lhes fallo por parabolas: porque vendo, naõ veem; e ouvindo, naõ ouvem, nem entendem.
  14. E nelles se cumpre a prophecia de Isayas, que diz: De ouvido ouvireis e naõ entendereis; e vendo, vereis e não enxergareis.
  15. Porque o coração d'este povo está engrossado, e pesadamente dos ouvidos ouviraõ; e seus olhos fecharaõ; pera que por ventura naõ vejaõ dos olhos, e ouçaõ dos ouvidos, e entendaõ do coraçaõ, e se arrependam, e eu os cure.
  16. Mas bemaventurados vossos olhos, porque vém; e vossos ouvidos, porque ouvem.
  17. Porque em verdade vos digo, que muytos Prophetas e justos desejaraõ ver o que vos vedes, e não o viraõ; e ouvir o que vos ouvis, e não o ouviraõ.
  18. Ouvi pois vosoutros a parabola do Semeador.
  19. Ouvindo alguem a palavra do Reyno e naõ a entendendo, vem o malino e arrebata o que em seu coraçaõ foy semeado; este he o que foi semeado junto ao caminho.
  20. Porem o que foy semeado em pedregaes, este he o que ouve a palavra e logo a recebe com gozo.
  21. Mas naõ tem raiz em si mesmo, antes he temporal: e vinda a afflição, ou a perseguição pola palavra, logo se offende.
  22. E o que foy semeado em espinhos, este he o que ouve a palavra, e o cuidado d'este mundo, e o engano das riquezas afogam a palavra, e fica sem fruito.
  23. Mas o que foy semeado em boa terra, este he o que ouve e entende a palavra, e o que dá e produz fruto, um cento, e outro sessenta, e outro trinta.
  24. Outra parabola lhes propôs, dizendo: O Reyno dos ceos he semelhante a o homem que semea boa semente em seu campo,
  25. E dormindo os homens, veyo seu inimigo e semeou zizania entre o trigo, e foy se.
  26. E como a erva creceo, e produzio fruito, entonces apareceo tambem a zizania.
  27. E chegandose os servos do Pae de familias, disseraõ lhe: Senhor, naõ semeaste tu boa semente em teu campo? d'onde lhe vem logo a zizania?
  28. E elle lhes disse: O homem inimigo fez isto. E os servos lhe disseraõ: queres logo que vamos e a colhamos?
  29. Porem elle lhes disse: Naõ, porque colhendo a zizania, não arranqueis por ventura tambem com ella o trigo.
  30. Deixae os crescer ambos juntos até a sega; e a o tempo da sega direi aos segadores: colhei primeiro a zizania, e atae a em molhos, pera a queimar; mas a o trigo ajuntae no meu celleiro.
  31. Outra parabola lhes propós, dizendo: O Reyno dos ceos he semelhante ao graõ da mostarda, que tomando o o homem, o semeou em seu campo.
  32. O qual, em verdade, he a menor de todas as sementes: mas crecendo, he a mayor de todas as ortaliças; e faz se tamanha árvore, que vem as aves do ceo e se aninhaõ em suas ramas.
  33. Outra parabola lhes disse: Semelhante he o Reyno dos ceos a o formento, que tomando o a mulher, o esconde em tres medidas de farinha, até que tudo esteja lévedado.
  34. Tudo isto fallou Jesus por parabolas a as companhas, e sem parabolas lhes naõ fallava.
  35. Peraque se cumprisse o que foy dito pelo Propheta, que disse: Em parabolas abrirei minha boca; cousas escondidas produzirei désda fundaçaõ do mundo.
  36. Entonces Jesus, despedidas as companhas, foyse pera casa. E chegaraõ se seus discipulos a elle, dizendo: Declàra-nos a parabola da zizania do campo.
  37. E respondendo elle, disse lhes: O que semea a boa semente he o Filho do homem.
  38. E o campo he o mundo; e a boa semente, estes saõ os filhos do Reyno; e a zizania são os filhos do malino;
  39. E o inimigo, que a semeou, he o Diabo; e a sega he o fim do mundo; e os segadores saõ os Anjos.
  40. De maneira que, como a zizania he colhida e queimada a fogo; assi será na consumaçaõ d'este mundo.
  41. Mandará o filho do homem a seus Anjos, e colheráõ todos os escandalos de seu Reyno, e a os que iniquidade fazem:
  42. E lançaloshaõ no forno de fogo: ali será o pranto e o ranger de dentes.
  43. Entonces resplandeceráõ os justos como o sol, em o Reyno de seu Pae. Quem tem ouvidos pera ouvir, ouça.
  44. Item: Semelhante he o Reyno dos ceos a o thesouro escondido em hum campo, que achando o o homem, o escondeu; e do gozo d'ele, vai, e vende tudo quanto tem, e compra aquelle campo.
  45. Item: Semelhante he o Reyno dos ceos ao homem tratante, que busca boas perolas.
  46. Que achando huã perola de grande valia, foy, e vendeo tudo quanto tinha, e comprou a.
  47. Item: Semelhante he o Reyno dos ceos á rede lançada no mar, e que colhe toda sorte de peixes,
  48. Que estando chea, os pescadores a puxaõ à praya; e assentandose, colhem o bom em seus vasos, porem o roim lançaõ fora.
  49. Assi será na consumaçaõ dos seculos; sairáõ os Anjos, e separaráõ a os maos dentre os justos:
  50. E lançaloshão no forno de fogo: ali será o choro e o ranger de dentes.
  51. E disse lhes Jesus: Entendestes todas estas cousas? disseraõ lhe elles: Si Senhor.
  52. E ele lhes disse: Portanto todo Escriba douto em o Reyno dos céus he semelhante a hum Pae de familias, que de seu thesouro tira coisas novas e velhas.
  53. E aconteceo que, acabando Jesus estas parabolas, se retirou d'ali.
  54. E vindo á sua pátria, ensinava os em sua Synagoga d'elles; de tal maneira que pasmavaõ, e diziaõ: D'onde lhe vem a este esta sabedoria, e estas maravilhas?
  55. Naõ he este o filho do carpenteiro? e não se chama sua mae Maria? e seus irmãos Jacobo, e Jose, e Simaõ, e Judas?
  56. E naõ estaõ todas suas irmaãs com nosco? d'onde lhe vem logo a este tudo isto?
  57. E escandalizavaõ se nelle. Mas Jesus lhes disse: Não ha propheta sem honra, senaõ em sua patria, e em sua casa.
  58. E naõ fez ali muytas maravilhas por causa de sua incredulidade d'elles.