Mensagem (Fernando Pessoa)/Nota Preliminar

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mensagem por Fernando Pessoa
Nota Preliminar

Benedictus Dominus Deus noster qui dedit nobis signum[1]

O entendimento dos símbolos e dos rituais (simbólicos) exige do intérprete que possua cinco qualidades ou condições, sem as quais os símbolos serão para ele mortos, e ele um morto para eles.

A primeira é a simpatia; não direi a primeira em tempo, mas a primeira conforme vou citando, e cito por graus de simplicidade. Tem o intérprete que sentir simpatia pelo símbolo que se propõe interpretar.

A segunda é a intuição. A simpatia pode auxiliá-la, se ela já existe, porém não criá-la. Por intuição se entende aquela espécie de entendimento com que se sente o que está além do símbolo, sem que se veja.

A terceira é a inteligência. A inteligência analisa, decompõe, reconstrói noutro nível o símbolo; tem, porém, que fazê-lo depois que, no fundo, é tudo o mesmo. Não direi erudição, como poderia no exame dos símbolos, é o de relacionar no alto o que está de acordo com a relação que está embaixo. Não poderá fazer isto se a simpatia não tiver lembrado essa relação, se a intuição a não tiver estabelecido. Então a inteligência, de discursiva que naturalmente é, se tornará analógica, e o símbolo poderá ser interpretado.

A quarta é a compreensão, entendendo por esta palavra o conhecimento de outras matérias, que permitam que o símbolo seja iluminado por várias luzes, relacionado com vários outros símbolos, pois que, no fundo, é tudo o mesmo. Não direi erudição, como poderia ter dito, pois a erudição é uma soma; nem direi cultura, pois a cultura é uma síntese; e a compreensão é uma vida. Assim certos símbolos não podem ser bem entendidos se não houver antes, ou no mesmo tempo, o entendimento de símbolos diferentes.

A quinta é a menos definível. Direi talvez, falando a uns, que é a graça, falando a outros, que é a mão do Superior Incógnito, falando a terceiros, que é o Conhecimento e a Conversação do Santo Anjo da Guarda, entendendo cada uma destas coisas, que são a mesma da maneira como as entendem aqueles que delas usam, falando ou escrevendo.

Notas[editar]

  1. A epígrafe, em latim, trata das cinco qualidades ou condições que “o entendimento dos símbolos e dos rituais (simbólicos) exige do intérprete”. (Fernando Pessoa. Obra Poética. Volume único. Rio: Nova Aguilar, 1981, p. 3). O próprio Pessoa a teria traduzido – não literalmente – por “Bendito seja Deus Nosso Senhor, que nos deu o Verbo” (A Procura da Verdade Oculta-Textos filosóficos e esotéricos, apresentados e anotados por António Quadros, Livros de Bolso Europa-América nº 471.). Na tradução de Pessoa, "Verbo" deve significar “palavra” que, afinal, é também um símbolo, tão demiúrgico quanto o é o “Verbo que se fez homem”. Contudo, uma tradução menos livre seria “Bendito seja Deus Nosso Senhor que nos deu o símbolo".