Não tenho dó de quem morre

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Não tenho dó de quem morre,
Nem do pobre que não tem;
Tenho dó de um triste amante,
Que se expõe a querer bem.