Na fonte está Leonor (Luís Vaz de Camões)

Wikisource, a biblioteca livre

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Na fonte está Leonor
por Luís Vaz de Camões
Poema agrupado posteriormente e publicado em Obras completas de Luis de Camões (1843, v. III)

CANTIGA ALHEIA.

Na fonte está Leonor
Lavando a talha, e chorando,
Ás amigas perguntando:
Vistes lá o meu amor?

Voltas.

Pôsto o pensamento nelle,
Porque a tudo o Amor a obriga,
Cantava, mas a cantiga
Erão suspiros por elle.
Nisto estava Leonor
O seu desejo enganando,
Ás amigas perguntando:
Vistes lá o meu amor?

O rosto sôbre hũa mão,
Os olhos no chão pregados,

Que de chorar ja cansados,
Algum descanso lhe dão;
Desta sorte Leonor
Suspende de quando em quando
Sua dor; e em si tornando,
Mais pezada sente a dor.

Não deita dos olhos ágoa,
Que não quer que a dor s′abrande
Amor, porque em mágoa grande
Sécca as lagrimas a mágoa.
Despois que de seu amor
Soube novas perguntando,
D′improviso a vi chorando.
Olhae que extremos de dor!