Ninguém se pare tranqüilo

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
(Ninguém se pare tranqüilo)
Quadra de tradição popular coletada por João Simões Lopes Neto
Poema agrupado posteriormente e publicado em Cancioneiro Guasca .


Ninguém se pare tranqüilo
Frente às varas da porteira;
Co'a desgraça é a mesma coisa,
Está brincando e é traiçoeira...