O Livro de Esopo/A porca prenhe e o lobo

Wikisource, a biblioteca livre
< O Livro de Esopo
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Livro de Esopo por Esopo
LIII - A porca prenhe e o lobo
Transcrição e Notas de Leite de Vasconcelos. Vid. também A Porca e o Lobo, traduzida por Manuel Mendes da Vidigueira.


LIII. [A porca prenhe e o lobo]

       [Fl. 39-r.][C]omta-sse que hũa porca era prenhe e esperaua o tempo do parto, [e emcomtrou][1] com hũu lobo; e o lobo lhe mamdou em [ss]eu gesto muytas mesuras e cortesia, e disse-lhe que queria sse[er sseu c]ompadre e guardar sseus filhos quando parisse; e ha[2] lhe deu muytas graças, dizemdo-lhe que lhe nom compria sseu seruiço, mays[3] disse-lhe:

— Guarda te bem que te nom chegues aos meus [filhos], ca eu nom queria que so[4] espeçia de bem fazer tu fezesses mall aos meus filhos!

O lobo, ouuindo taees palauras, emtendeo que a porca emtendia o mall que ell queria fazer, e partio-sse d’ella ssem comtemda.





Per este emxemplo o poeta nos amoesta que nom deuemos creer em quamtas palauras nos dizem, porque nos homẽes rreignam muytas maldades e emguanos, e muytas pala[ur]as sse dizem mais por emguanarem os ho[m]ẽes que p[or] outra cousa. E porem sse diz: «Quem neyçiamente cree, neyçio he chamado e neyçiamente[5] péca».

Notas[editar]

  1. Nos sitios em que ponho colchetes o papel está delido ou roto.
  2. = a (artigo).
  3. mays vale pela moderna conjuncção «mas»; se fosse adverbio, a construcção do resto da phrase seria lhe disse.
  4. Tambem se póde ler su em vez de so.
  5. A palavra neyçiamente está um tanto difficil de se lêr, mas é certa. Cfr. a sentença hespanhola «Quien neciamente peca, neciamente se va al Infierno» em Hernán Nuñez, Refranes o proverbios, Lérida 1621, fl. 105-r., a qual confirma absolutamente a leitura que proponho.