O abacate

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Tem mui preciosas propriedades
Artes possui misteriosa
Para corrigir até da idade
Os descalabros...e outras coisas!
Levanta um morte e se nos vivos
Produz desejos...de morrer
É pra de novo e mais ativos
Breve tornarem-se a erguer!

Assim num moribundo
Que é caso sabido
Já de todo perdido
Não dava uma palavra...
Tal efeito profundo
Fez o abacate
Em suma, em suma
Até que fez
Que o homem em vez durma...
Deu duas?
...deu três palavras, sim senhor!

E qual se a morte
Houvera à pressa erguido vôo
O morto-horror!
Inda ficou... pra mais conversa!

Restaurador por excelência
Dos organismos desfalcados
Ele não é sem competência
Com os tônus mais afamados
A panacéia abençoada
Na sua crème tem sabor
Pode salgada, pode gelada
A prova já nos dá calor

Esta obra entrou em domínio público no contexto da Lei 5988/1973, Art. 42, que esteve vigente até junho de 1998.


Caso seja uma obra publicada pela primeira vez entre 1928 e 1977, certamente não estará em domínio público nos Estados Unidos da América