Página:A Estrella do Sul.pdf/186

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
180
VIAGENS MARAVILHOSAS

a monotonía das planicies juntamente com algumas moitas ou raros grupos de magras mimosas.

James Hilton riu-se baixinho.

— Senhor Méré, continuou elle, se quer galopar um bocado até chegar perto d'aquelle ninho de formigas, — aquelle para onde estou apontando — prometto-lhe que verá o que o senhor deseja ver! Mas tenha cautela, não se approxime muito d'elle, aliás talvez lhe acontecesse mal!

Cypriano deu de esporas ao cavallo, e dirigiu-se para o logar que James Hilton chamára um formigueiro.

— É uma familia de leões que acolá está acampada! acrescentou o inglez assim que Cypriano se afastou. Uma vez em dez aquelles montões amarellados, que os senhores cuidam ser ninhos de formigas, não são outra cousa.

Per Bacco! exclamou Pantalacci, que necessidade tinha o senhor de lhe recommendar que se não chegasse?!

Mas, ao ver que era observado por Li e Bardik, continuou, modificando o seu pensamento:

— Que susto vae apanhar o Frenchman! Que grande reinação!

O napolitano enganava-se. Cypriano não era homem que se deixasse assustar, como elle dizia. A duzentos passos do alvo que lhe fora indicado, reconheceu com que terrivel ninho de formigas estava mettido. Eram um enorme leão, uma leôa e tres leãosinhos, enroscados como os gatos, e dormindo socegadamente ao sol.

Ao ruido das ferraduras do Templar o leão abriu os olhos, ergueu a enorme cabeça e bocejou, mostrando, entre duas fileiras de dentes formidaveis, um abysmo por onde caberia uma creança de dez annos.

Depois poz-se a olhar para o cavalleiro, que parára a vinte passos de distancia.