Página:A Guerra de Canudos.djvu/141

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Guerra de Canudos
123

por veredas desconhecidas e rompendo a catinga cheio de espinhos, exposto ao fogo inimigo, tendo a vista o arraial, o valente emmissario do general A Oscar conseguiu, com felicidade assombrosa, chegar ao seu destino.

Entretanto, devido a intervenção do Capitão honorário Manoel Benicio, representante do « Jornal do Commercio » e amigo do alferes Leite, o general resolveu acceitar as ordens por esse transmittidas. Voltou o alferes Leite á Favella, ali chegando ás 8 ¾, com a promessa do general de seguir promptamente.

Quando o alferes Leite chegou ao flanco direito da 1ª coiumna e onde então estava o general S. Barbosa, em Favella os acontecimentos aggravavam-se de modo verdadeiramente alarmante. O general Barbosa ordenou ao digno patriota, que tentasse novo sacrificio, indo em busca de dois batalhões, pelo menos, da 2ª columna, para guarnecerem a linha da frente, já esphacelada. Isso foi cumprido, chegando novamente o alferes Leite ás nossas posições ás 9 ¼, transmittindo o novo recado ao general. A'quella hora, estava a 1ª coiumna sem munições, utilisando-se os atiradores da dos mortos e feridos; mesmo as mulheres, iam ás linhas de fogo, levar a que podiam ajuntar morrendo algumas como verdadeiras heroinas.