Página:A Guerra de Canudos.djvu/161

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
141
A Guerra de Canudos

dirigindo a acção, andando lentamente juncto ás conteiras dos canhões, se hombreava aos seus dignos commandados, e com elles rivalizando na calma e coragem com que supportavam aquelle fuzilamento tenaz e odiento, mostrou ser o mesmo bravo que na tarde da vespera « n'uma serenidade stoica, fincou no Alto da Favella, ainda sem trincheiras, a bandeira brasileira, » na phrase do general em chefe. N'aquelle local estabeleceu seu quartel-general, constituindo a frente do exercito, em relação á Cidadella.

Foi para aquelle ponto que o inimigo convergiu o maximum da sua raiva e onde os estragos eram bastante consideraveis, por ser o menos abrigado. Assim, quando após o bombardeio, cessado por falta de munições, foi ordenado que o pessoal se abrigasse na retaguarda, era penosa a impressão de quem observasse o local. Cadaveres d'homens e de animaes, n'uma horripilante mistura, entre intestinos á mostra. Os canhões estavam dispostos desordenadamente, mantendo ainda as pontarias como nos ultimos tiros, os armões e carros entre os victimados. A bandeira do regimento, esfrangalhada e altiva, fluctuava, dezafiando o inimigo e ao pé alguns cadaveres, dos que constituiram a sua guarda, fuzilada no combate. Entre aquelles destroços, só vimos um