Página:A Guerra de Canudos.djvu/185

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
155
A Guerra de Canudos

mento. Nos bombardeios, aquelle comtnandante tinha por habito fiscalisal-os, expondo-se como simples soldado. Os officiaes, a seu lado, faziam as pontarias.

Depois de preparadas as trincheiras, a artilharia ordenada, bem como os canhões « tiro rápido », estes na extrema direita, o coronel Olympio mandou romper o bombardeio sobre as casas de Villa-Nova, João Abbade e outras, na praça e adjacências, bem como sobre as egrejas, sendo o fogo dirigido com toda prudencia e pauza, a munição regulada, pois era pouca a trazida pelo comboio e a 2ª columna pouco mais de 200 tiros possuia.

A's 3 horas da tarde, atirava tambem o canhão 32, derrubando grandes blocos do parapeito lateral da Igreja Nova, quebrando cumieiras de varias casas, quando o fumo d'uma explozão foi visto e em seguida ouvido forte estrondo. Voára algum paiol do inimigo e o fracasso occorrera junto á umas casas esparsas nos limites do arraial, muito além da igreja matriz.

Juncto ao canhão estava o medico de 4ª classe, capitão Dr. Alfredo Gama, da 2ª columna, conhecedor do serviço d'artilharia, no qual trabalhara na Fortaleza da Lage, durante a revolta de 6 de Setembro. Aquelle facultativo, n'um momento de descanço do hospital,