Página:A Guerra de Canudos.djvu/301

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Guerra de Canudos
259

o menor arbusto. Perdeu-se de vista, já próximo do inimigo, ao dar uma volta, para sobre elle cahir pela retaguarda. Os jagunços continuavam atirando.

O crepúsculo avassalava a tarde e o sargento não chegava á seu destino. Uma ultima bala daquelles lados sibilou. De repente, sobre os jagunços atirou-se um homem de facâo em punho, vibrando largos golpes. Os fanaticos, volvendo a si da surpresa, fizeram frente ao extraordinario sargento. Uma barbara lucta travou-se, de oito contra um. Não houve mais um tiro. Apenas os braços erguiam-se, os facões cruzando o ar, entre gritos selvagens, ouvidos distinctamente. Um jagunço cahiu e logo após, outro baqueiou.

Os fanaticos desapareceram e o sargento não voltou ao seu acampamento. Mais tarde, seu cadaver foi encontrado crivado de golpes, mutilado, ao pé do de um jagunço.



A igreja velha com as grossas paredes, estava bastante damnificada pelo bombardeio sem treguas, de dois mezes. O fundo ruira totalmente; a parte lateral da direita estava desabando com os tiros da Favella; o telhado esburacado deixava apparecer pontas de caibros partidos em estilhas. A cruz voára com