Página:A Guerra de Canudos.djvu/398

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
334
A Guerra de Canudos

18 de Julho, succederam scenas commovedoras e atrózes, que, si por um lado evidenciaram a decisão e impetuosa bravura dos atacantes, unidas á tenacidade e calma feróz, com que se defendiam os fanaticos, tambem foram patenteados factos que demonstraram o alto gráu de furia e de sêde de vingança, que animava aos combatentes, pois, no terreno percorrido pelos atacantes no auge da carga, viam-se destroços sanguinolentos, demonstrativos da disposição em que estavam soldados e jagunços, de não se concederem quartel, reciprocamente.

Divisavam-se nas ruas e nas casas do inimigo e nas longas vallas onde se occultava. montes de cadaveres. Feridos, ainda se agitando nos stertores da agonia, as armas ao lado, inda quentes do frenetico tiroteio. Mortos, de ambos os lados, abraçados, cahidos n'uma lucta selvagem, á golpes de sabre e de facão, banhados no mesmo sangue. Creancinhas, algumas ainda se amamentando, sobre o peito quente das mães, tambem morrendo com os craneos varados á bala, os ventres rasgados a bayonetadas. Ninguém pediu misericordia e ninguem lha concederia. O que passasse ao alcance das carabinas, ou da arma branca, cahia victimado.