Página:A Guerra de Canudos.djvu/438

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
370
A Guerra de Canudos

vairados pelo odio e incapazes de sopitar os instinctos grosseiros, filhos da má educação. D'esses, ha em todas as classes, mesmo na dos theoricas, propagadores da Paz e Concordia Universaes, pretensos humanitaristas, salvo quando se lhes ferem as ambições e os interesses.



No dia 3, ao amanhecer, continuavam as hostilidades com o mesmo vigor e o incendio lastrava como d'antes, consumindo aos poucos muitas casas que ainda permaneciam de pé na área citada. Mais d'uma centena de fanaticos, de armas na mão, ainda persistiam na insana resistencia e combatiam com tenacidade e constancia admiraveis.

Das vallas e fóssos das pequenas, mas fortes trincheiras, faziam fogo methodico, ininterrupto, sobre os atiradores habituados áquella situação. Algum tiro do canhão continuava fazendo se ouvir, sobre certos pontos. Depois o combate transformou-se n'uma caçada habilmente estabelecida sobre os numerosos accidentes de que estava inçado o reducto.

De quando em quando tocavam cessar fogo. Fasiam silencio e mais um grupo de jagunços, no ultimo extremo de mizeria, com uma bandeirinha branca atravessava sobre os carvões e