Página:A Patria Brazileira.djvu/154

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 138 —


de mais apuro a estabelecer o meu posto no couvez junto á escotilha da coberta; foi assim que um estilhaço de madeira grande, mas já sem força, atravessou-se-me pelas duas pernas e atirou-me á coberta por cima do pratico, que estava a meu lado.

Junto faço chegar ás mãos de Y. S. a relação dos feridos. O material soffreu extraordinariamente: mais de 200 balas chocaram o navio em todos os sentidos e deixaram mossas patentes na couraça acima e abaixo do lume d′agua e no madeiramento. Quasi todas as depressões da torre, nas faces plana e na curva de menor espessura, são de 2, 2 1/2 e 3 pollegadas, nesta ultima uma bala perfurou a chapa próximo á aresta superior e carregou com toda a tabica que a cobria.

O navio faz 1 1/2 a 2 pollegadas d′agua por hora, e precisa de sérios e promptos reparos, porém si as circumstancias da guerra exigirem, pôde entrar em fogo no estado em que se acha.»

Já agora, ]neus caros concidadãos, nào devemos deixar de vos dar aqui imia rápida noticia de como foi o Brazil arrastado a essa tremenda guerra, que nos custou 000 mil

contos de reis e a perda de oitenta mil brazileiros, referindo -vos também alguns feitos notáveis de nosso Exercito.

Acalentava o Dictador do Paraguay, Francisco Solano Lopez, um vasto plano ambicioso, pre- ])arando-se pouco a pouco para impor seu predominio na America do Sul. Quando se julgou ])rompto para a lucta, aproveitou alguns incidentes da politica brazileira no rio da Prata, e, sem guerra, aprisionou, em Novembro de 1864, em Assumpção, capital do Paraguay, o vapor brazileiro Marquez de Olinda e os respectivos passageiros, entre os

Solano Lopez.

previa declaração de