Página:A Patria Brazileira.djvu/266

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 250 —


nos districtos quentes que, ao derrúbar-se e queimar-se qualquer matto virgem, si o deixaes em abandono, dentro em poucos annos, ahi vereis já uma nova matta intransitável; e não produzida, como era de crer, pelos rebentões das antigas raizes, mas sim resultante de espécies novas, cujos germens ou sementes não se encontram nos extremos de anterior derrubada, e se ig-noram donde vieram».


REINO MINERAL

Como no vegetal, é o Brazil prodigiosamente rico no reino mineral.

Não invejamos absolutamente neste género, como em nenhum outro, as riquezas do mundo!

Nosso abençoado sub-èólo occulta as mais variadas preciosidades: minas de ouro, ferro, cobre, estanho, chumbo, mercúrio, carvão de pedra, diamantes, esmeraldas, rubis, saphiras, opalas, etc, etc.

Um dos maiores brilhantes admirados no mundo — Estrella do Sul — é brazileiro, e pertence a um príncipe asiático, que o comprou, por elevadíssimo preço, depois de ter figurado na Exposição de Paris, em 1855.

Quando se descobriram as importantes minas de diamante no centro do Estado da Bahia, nchajoada diamanima, foi tão grande a quantidade extrahida e tal sua qualidade, que produziram, por algum tempo, a baixa no preço do diamante nos diversos mercados.

Imaginae que nosso querido Brazil que, diz Elizeu Réclus, «comparado ao México e ao Peru, paizes da prata, é o paiz do ouro», é tão rico em mineraes de toda espécie, que um de seus grandes Estados se denomina Minas- Ge7ries, tendo este por sua vez cidades chamadas — Oiiro-P7′eto — Oitro-Fino