Página:A Patria Brazileira.djvu/281

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
— 2G3 —


Preenchera a missão a mcãe sublime, Immolada do filho na defesa; E o rei da creação, o heróe do crime, Contempla extasiado a enorme presa!

Em verdade, meus caros meninos, é tão entranhado o amor de mãe, amor dulcissimo, quenào degenera e só se extingue quando o coração já não tem vida; é tão poderoso que até nos próprios irracionaes se manifesta radiante, como acabastes de apreciar.

Que nunca vos passe pela mente, pois, a idéa de não retribuir com a mesma intensidade este sentimento sublime, que é o mais bello poema da vida da mulher: o mau fllho é necessariamente um mau homem, um mau cidadão.

Pois bem, imaginae agora que superior ainda ao sagrado amor materno, existe um sentimento puríssimo, tão possante e absorvente, que é mesmo capaz de suftbcal-o — o amor da Pátria.

E vem a propósito dar- vos aqui um exemplo histórico do que acabamos de aíRrmar.

Nas passadas kictas com os hollandezes em Pernambuco, de que já nos occupamos, houve, em Abril de 1635, um renhido encontro em Villa Foiynosa, á margem do rio Sonnháem, defendida por um punhado de bravos, onde, entre outros, perdeu a vida, combatendo valentemente, Estevam Velho.

Ao receber a triste noticia. Dona Maria de Souza, sua mãe, que já havia perdido nessa guerra outros filhos, lamentando, embora, a cruciante perda, não manifestou abatimento: desapparecera a mãe extremosa, para deixar agir a mulher patriota.

Chamou os dois restantes filhos, e disse-lhes:

— «A Estevam tiraram hoje a vida os hollandezes, e posto que, filhos meus, perdi já três e um genro, antes vos