Página:A campanha de Canudos.pdf/88

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
84
a campanha de canudos

saram, em todos os ângulos da republica, a mais funda e pungitiva surpreza. Os exaltados, que tudo julgam sem ponderação nem critério, não querendo acreditar na imprudência, ou impericia do chefe de cujo valor e fortuna haviam tanto fiado, ten­taram explicar a seu geito e sabor o desastrado acontecimento.

A Bahia ê um reducto de monarchistas, disse-o certa im­prensa do Rio de Janeiro ; esquecida de que a quasi unanimi­dade da população bahiana, activa e laboriosa, tinha collaborado desinteressada e proficuamente para o estabelecimento do novo regimen. Depois, quando foi preciso consolidar a republica, a quasi totalidade dos representantes do grande e opulento Estado prestara decidido apoio aos que se batiam pela victoria das novas instituições. E tanto bastava para collocar o povo bahiano numa esphera superior às injustiças e aggressões desse pugilo de immoderados, que não respeitam sequer as afflicções e dores da patria.

E mesmo quando se rebusque, na longa serie de factos então registrados, um só que sirva de prova àquella imputação desleal, não será possível encontral-o.

Muito pelo contrario, tudo quanto se passou na Bahia, após o fracasso da terceira expedição, demonstra á saciedade a parte directa e larga, tomada pelo Governo e pelos habitantes na magua e no infortúnio, que fulminaram a republica emo­cionada.

As manifestações publicas de tristeza e luto foram nume­rosas e solemnissimas. Exequias pomposas em varias egrejas ; votos de condolencia pelos Conselhos municipaes ; moções de pezar lançadas na acta da Associação Commercial e na de outras sociedades tambem; artigos eloqüentes e patrióticos de todos os jornaes que appareceram tarjados de preto ; — eis ahi outros tantos modos por que a Bahia affirmou sua solidariedade com o regimen actual, e suas sympathias ao exercito republicano.

A increpação, portanto, que alguns periodicos do Rio de Ja­neiro lançaram contra a probidade politica do povo ba­hiano, exprime apenas o desafogo de espíritos atordoados pelo desfecho imprevisto de uma jornada da que se esperavam resul­tados promptos e brilhantes.