Página:A campanha de Canudos.pdf/95

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
a campanha de canudos
91

desta verdade contristadora. Cumpria, pois, ao Governo agir sem demora para desaffrontar a lei e a sociedade aggravadas.

E o Governo assim fez, para honra sua e gloria da patria brazileira.

III


Na guerra, uma opportunidade perdida produz— não raro — consequencias desastrosas, assim como— ás vezes— equivale a uma verdadeira derrota a retirada, que o general effectua sem ter primeiramente empenhado todos os recursos para evital-a.

Pelo menos, era assim que Napoleão pensava, quando se obstinando em não abandonar o campo de batalha, conseguia triumphar afinal do inimigo.

Fosse inspiração propria de seu genio militar, fosse fé nessa estrella que em 1806 elle mostrava ao general Rapp, como em 1811 ao cardeal Fesch, sem que nenhum dos dous lograsse no entanto lobrigal-a no céo, não se póde negar— que a confiança extrema em si proprio, a fé robusta no valor dos seus commandados, e certa dôse de ousadia, fundada na consciência de sua boa fortuna, emprestaram sempre ao grande capitão deste seculo o prestigio que o salvava pela resistencia, e o condão que o immortalizava pela gloria.

Demais, uma serie longa de factos historicos póde servir de confirmação a este postulado, que a philosophia politica sanccionou, de data immemorial: o chefe que confia nos destinos da pátria não desespera nunca, luta sempre com energia e sem descanso.

A esse proposito alguem[1] cita Cesar em Munda, Condé em Senef, Nelson em Copenhague, Napoleão mesmo em Marengo, Arcole e Eylau.

Já ponderei— que a terceira expedição a Canüdos, além de ter precipitado o ataque aos jagunços de Antonio Conselheiro,

  1. Correspondant médical, edição de fevereiro de 1897.