Página:A escravidão dos negros.pdf/112

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
108
A ESCRAVIDÃO


de illudir o rei para augmentar as liberdades populares era indigna de seu caracter. O charlatanismo parecia-lhe um embuste, menos culpavel talvez do que muitos outros, porém mais ridículo e mais vergonhoso — por certo. Não acreditava que o amor da gloria merecesse ser o movel das acções de um homem de bem, em quanto os homens não fossem bastante illustrados para só honrar com essa recompensa áquelle que fôr verdadeiramenle ulil.

Nunca homem algum foi dotado de alma ao mesmo tempo mais calma e mais sensivel, e reunio — maior força á maior bondade, — mais indulgencia para os outros á maior severidade para comsigo mesmo, — mais dominio sobre uas proprias paixões á mais franqueza, — mais prudencia ou reserva á odio mais ferto contra tudo quanto tinha a apparencia da falsidade e da dissimulação. Á seu respeito pela verdade sacrificára a esperança de uma fortuna immensa; sua saude e seus gostos, ao desejo de ser ulil á humanidade; seu cargo, sua propria gloria — ao menos em vida — e até a esperança de fazer o bem, á severidade de seus principios.

Justo para com seus inimigos, mas sem pretenções á generoso, não julgava ser-lhe permittido poupar um malvado por ter queixas d'elle. Toda a especie de ostentação e de exageração era estranha a seu caracter, e tinha horror a taes deffeitos porque via n'elles mais falsidades ainda do que orgulho.

Ninguem teve ainda illustração maior e mais variada; ninguem teve ainda a coragem de aprofundar maior numero de assumptos differentes, nem elevou-se mais no estudo dos primeiros principios de todos os conhecimentos humanos, seguindo suas consequencias com maior sagacidade e criterio. Seria difficil citar uma questão importante a cujo respeito elle não tivesse opinião fórmada por si proprio, ou que não pódesse resolver de accordo com seus principios.

Nunca homem algum possuio espirito mais desinvolvido, mais profundo, e mais justo, nem alma mais terna, mais pura e mais corajosa. E' possivel que tenha havido homens de egual talento, outros tão virtuosos e tão grandes; nunca, porém, em homem algum, a natureza aproximou-se mais da perfeição.

Os que odiaram-o em vida por causa do bem que elle podia fazer; o que, no delirio do orgulho, ousaram ter ciumes d'elle; — perdoarão todos, hoje que elle não é mais para ser temido, o testemunho que presta á sua memoria um estrangeiro que a elle estava ligado por uma paixão commum pelo