Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/111

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


como a maïs delicada creança da cidade, com os olhos negros e expressivos de intelligencia e de doçura, e com os maïs formosos cabellos louros que ainda enfeitaram uma cabeça infantil. Não havia n’elles sombra, que desvanecesse aquella côr deslumbrante; reflectia-se-lhes a luz nas ondas, naturalmente lustrosas, como em tenuissimos fios de metal; usava-os soltos e caidos, sem vislumbre de artificio, de um e de outro lado do collo.

Condizia com a expressão angelica do semblante o suave e affectuoso timbre de voz com que falára.

O leitor prevê de certo que é Ermelinda, a filha do Cancella, où Lindita, como geralmente na aldeia lhe chamavam, a creança que tem na sua presença.

Ermelinda sobraçava um mólho de hortaliça, que fôra colher ao quintal, e dirigia-se com ella para o lar, que o descuido e a indifferença conjugal deixavam ainda apagado áquella hora do dia.

Dando, porém, com os olhos em Augusto, parou, sorrindo-lhe.

—­Ai, pois estava ahi, sr. Augusto?! E o meu padrinho talvez sem reparar.

A estás palavras o desditoso marido voltou a cabeça e fitou em Augusto um dos seus desemparelhados olhos.

—­Olá, sr. Augusto! Viva! Passe muito bem! Entre; está casa é sua... De jantar não lhe offereço... porque... porque... Forte desgraça a minha... Olhe! répare para este desaforo!... Venho para casa, morto de trabalho... e vejo o lar apagado! A minha mulher está a ouvir missa, a confessar-se, a commungar... a tomar todos os sacramentos... acho que os está a tomar todos... Louvado seja Deus! Vem ahi tão limpa de consciencia, como eu estou do estómago... Ora, senhores...

—­Deixe estar, padrinho... Verá como isto se arranja depressa... Olhe; o lume já está accêso—­dizia