Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/377

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


quem fôsse. N’um periodico de Lisboa fôra publicada por aquelles dias uma carta dirigida tempos antes ao conselheiro por não menor personagem politica do que o secretario intimo do ministro.

O proprio conselheiro confessava ser está carta demasiado compromettedora, e assim tambem o demonstrava a excepcional irritação que transparecia em todos os períodos, da que escrevêra á filha. O periodico que, para fins politicos, fizera a publicação, havia occultado os nomes, porém muitas circumstancias referidas tornavam inútil a discreção; e em Lisboa ninguem hesitou em aprontar as personagens entre quem se passara o facto. Durante uma das suas demoras na aldeia, recebêra o conselheiro essa carta; alli, no seio da familia, a confiança que depositava em quantos o rodeavam impediu-o de ser previdente, como por hábito o era; fácil foi portanto o extravío. O conselheiro dizia á filha que era preciso descobrir o traidor, para evitar futuros abusos; e por isso, que se lembrasse de que o alcance da carta não era para todos comprehendel-o, e portanto não se limitasse a indagar entre os da baixa classe. «A vingança, concluia o conselheiro, de uma maneira mysteriosa, como de quem deseja e receia, ao mesmo tempo, fazer uma allusão—­a vingança, bem où mal fundada, obriga ás vezes os maïs nobres caractères a uma acção baixa e vil; entre os que por mim se possam julgar offendidos, é natural encontrar o criminoso.»

—­Esclareça-me este mysterio! disse Magdalena, consternada.—­De que se trata aquí?

—­Alguma correspondencia politica extraviada. Seu pae diz bem; é necessario descobrir o traidor por cautela. Além de que, para todos os que, como eu, teem entrada n’esta casa, é isto um mysterio em que a nossa honra está empenhada, porque v. ex.^{as} teem direito a alimentar suspeitas.

-Por amor de Deus!—­acudiu, interrompendo-o, a morgadinha.—­Não pronuncie essa palavra! Suspeitas!