Página:Diccionario Bibliographico Brazileiro v1.pdf/183

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Compendio de pathologia geral — Inedito.

Breve noticia biographica dos treze membros da academia imperial de medicina, que falleceram no periodo de 1850 a 1857, lida na sessão annual de 1858 em presença de sua magestade Imperial. Rio de Janeiro, 1858, 16 pags. in-4.º

Biographias dos fallecidos doutores Luiz Fmncisco Ferreira e João Mauricio Faivre, recitadas em presença de sua magestade imperial na sessão publica da imperial academia de medicina em 1859. Rio de Janeiro, 1860 — Sahiu antes na Gazeta dos Hospitaes com muitos erros.

Elogio ao illustre bmzileiro Evaristo Ferreira da Veiga — Sahiu no volume sob o titulo Honras funebres á saudosa memoria do illustre cidadão e perfeito maçon C.·. R.·. C.·. Evaristo Ferreira da Veiga, da parte da Aug.·. e Resp.·. L.·. Intg.·. Rio de Janeiro, 1837, com o retrato deste. Por esta occasião escreveu tambem um soneto que foi recitado na sociedade Amante da instrucção a 12 de agosto, e vem no Florilegio da infancia por J. Jordão.

Discurso que por occasião da solemnisação do primeiro anniversario da fundação da Aug.·. L.·. lnteg.·. Maç.·. fez e recitou-a etc. Rio de Janeiro, 1837.

Discurso sobre a caridade — Sahiu n'um opusculo com o titulo Sessão solemne da installação da caixa municipal de beneficencia do municipio da côrte a 29 de julho de 1860. Rio de Janeiro, 1860.

Discurso recitado na segunda sessão geral anniversaria da veneravel congregação de Santa Thereza de Jesus. Rio de Janeiro, 1864, 38 pags. in-12 — Se acham no mesmo opusculo os discursos pronunciados na mesma occasião pela Baroneza de Gurupy e pelo doutor João Fernandes Tavares.

Elogio funebre do Visconde de Inhauma. Rio de Janeiro, 1870.

Decorophobia : poema heroe-comico-satirico. Rio de Janeiro, 1880 — Foi publicado sob o anonymo.

O Barão de S. Felix tem dado á estampa diversas poesias na Miscellania poetica, e possue ineditos diversos poemas, odes, epistolas e outras composições poeticas.


Antonio Fernandes Figueira — Filho de Manoel Fernandes Figueira e de dona Genuina da Rocha Figueira, nasceu no Rio de Janeiro a 13 de junho de 1863.

Recebendo em janeiro de 1881 o grau de bacharel em lettras, matriculou-se logo na faculdade de medicina ; é orador do instituto dos bachareis em letras, membro da sociedade ensaios litterarios, e do gremio Castro Alves, e escreveu:

Adejos: poesias. Rio de Janeiro, 1880, 128 pags. in-8.º

Discurso, que pronunciou na sessão festival do gremio Castro Alves a 10 de junho de 1881 — Este discurso abre o livro « Homenagem do