Página:Diva - perfil de mulher.djvu/79

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


porém não ao senhor!

— Ah!

— Do senhor, eu tinha medo, quando o via. Tinha medo que me arrancasse também do espírito mais essa doce ilusão. Desculpe-me: eu não o conhecia então. Duvidava...

— Mas por que motivo? Percebeu alguma vez em mim a menor intenção de abusar?...

— Nunca!... Era uma coisa que não estava em mim! Um temor vago e indefinível... Parecia-me que o hálito de sua primeira palavra vinha murchar em minha alma a única flor de sentimento que brotara nela... E eu defendia-me afastando-o... Naquela noite... não o entendi... Disse aquelas más palavras... Perdoe-me! Eu também sofri... Sofri mais porque elas não eram vingança, não. Gemidos, sim, de quem tanto perdia!...

Fui eu então, eu insultado e escarnecido, que pedi a essa mulher o perdão de minha vingança.

A tarde caía. A solidão começava a encher-se de sombras, de perfumes, de eloqüentes silêncios. Emília sorveu com delícias esse respiro dos campos na hora do crepúsculo.

— Que linda tarde!... murmurou. — Aqui... parece-me que eu poderia crer... Mas lá!...

Seu lábio desfolhou um triste sorriso.

— Vamos, Mila! disse D. Leocádia.

— Sim, minha tia.

Ela estendeu-me entre as rendas de seu lenço a ponta dos dedos que eu apertei de leve.