Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/23

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


��DOM JOAO VI NO BRAZIL 587

cipagoes, e quando se avantajasse a elles a perspectiva mer- cantil desafogada, pela attitude decidida tomada na questao pelo autocrata russo, toda favoravel ao restabeleeimento das monarchias legitimas e a recolonizagao das possessoes re- belladas. E facto que a Inglaterra foi de comego bastante favoravel aos independentes (i) mas ja ia diplomatica- mente variando de rumo, chegando em 1818 a por-se ao lado da Hespanha e da Santa Allianga na questao ameri- cana, so visando entao a franquia commercial das colonias. A. mudanga politica apenas viria com Canning. Por esse lado economico o momento escolhido por Portugal para prati- car a annexacao da Banda Oriental nao era propicio, mas a opportunidade cessara inteiramente. As colonias que durante trez seculos tinham sido cobigadas como campos de explora- gao exclusiva, entravam apoz a emancipagao das colonias inglezas da America, as impressivas publicagoes dos abbades Raynal e de Pradt e a evolugao theorica e pratica da eco- nomia politica, a ser consideradas como mercados interna- cionaes, terrenos de concorrencia commercial. O tratado de 1810, de Portugal com a Gra Bretanha, bastante denun- ciara n um sentido egoista essa orientagao que a obra de Pradt L Europe et ses colonies modela na perfeigao como these.

A Franga, por mais que Ihe conviesse contrariar a po litica mercantil ingleza, n esse momento ja pouco se incli- nando de facto e ate deixando officialmente de inclinar-se em principio a libertagao das colonias, e comquanto entrasse

��(1) I la huma entron aqui <lo Montevideo huma Pragata Hes- panhola ;: pctlir soccorro contra os do Buenos Ayres, pois que estos 1cm crescido pin foi Qas, ajudados dos Negociantes Inglezes, que os tern forascido de armas e provisoes de guerra." (Carta de Marrocos ao Pai de 1C de Nweinbro de 1813).

�� �