Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/255

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 810

deixava impressionar pelas suas arengas. Alias o povo con- servara-se, como o observou Tollenare, sem enthusiasmo pelo ensaio democratico que diante d elle se desenrolava, sem mesmo uma comprehensao nitida do que se estava pas- sando : somente percebia com clareza que a sua situagao nao melhorara effectivamente como Ihe haviam annunclado, e que continuava a soffrer as mesmas privacies que d antes. Quanto ao commercio, escusado e referir, andava por com- pleto paralysado, irritando a gente que d elle vivia.

A revolugao pernambucana foi derrubada pelos proprios elementos conservadores e ate populares da capitania, antes de se dar a intervengao de fora, da mesma forma que a res- tauragao portugueza de 1654 foi executada pelos elementos brazileiros desajudados mesmo da metropole. Antes de che- gadas as forcas da Bahia, que subiam lentamente ao mando do marechal Cogominbo de Lacerda (i), ja a republica es tava militarmente desmoralizada. A lucta civil abrira-se entre realistas e patriotas, os senhores de engenho fieis com quem dos seus navios (2) se correspondia o almirante Ro- drigo Lobo, e os 400 homens, parte sahidos do Recife, onde havia ao todo, entre regulares e milicianos, 4.000 homens ou mais, e parte reunidos no Cabo, sob as ordens de Francisco de Paula Cavalcanti que foi o peco general d esse simulacro de republica.

O combate de Utinga, urn assalto de engenho, foi urn episodic inteiramente local pela composic.a.0 das facgoes que ahi se disputaram. Entretanto, na capital, Pedroso, passando

��(1) Muniz T.-iv.-uvs (ob. cit.) or<;ava ostas forgas em 800 ho mens : i imrtidn, antes de so Ihes a^^rc^Mrom as milicias de Scrape d Kl-Rei (. os le^alistrs de Al.-i.^o.is (jiie. com os volutitarios do sal de ]V i > naml>uco. as elevaran\ a imiito mais do dohro ou ao triple.

( 2) Uma fragata (Thetis), duas corvetas e uma escuna.

�� �