Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/256

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


820 DOM JOAO VI NO BRAZIL

das bravatas aos actos de que era um dos poucos capazes, as- signalava o inicio da anarchia com os seus fuzilamentos sem processo dos desertores, annunciando com taes descargas ha ver cessado a legalidade democratica.

Uma relativa cordura nunca faltou comtudo a rebelliao de 6 de Marco que, antes de varrida pelo temporal levan- tado do Sul, se tinha ido desfazendo com as manifestagoes separadas de reacgao provincial, provocando urna geral con- flagragao gramas as tentativas de repressao do governo pro- visorio. A estas se associara em pessoa Domingos Martins, indo porem estonteado entregar-se, sem possibilidade de re- sistenoa, pela dispersao das forgas, a um destacamento de Cogominho, o qual entrementes alcanQara Serinhaem e, subindo ate Ipojuca, a 13 de Maio (i) destrogou Francisco de Paula, obrigando-o a refugiar-se no Recife.

A causa foi entao considerada perdida e tratou-se da capitulagao, mas tendo Rodrigo Lobo recusado acceital-a nos termos propostos pelos revoltosos e mostrado mesmo desdenhar as amea^as de morticinio de todos os Europeus, formuladas em ultimatum por Domingos Theotonio erigido em dictador - - tao certo estava o lobo do mar da dogura do cordeiro republkano - - , assistiram as destinadas victimas da sanha jacobina ao espectaculo inesperado da evacuagao da capital, sede do governo rebelde.

Tollenare conta com mais pormenores do que Muniz Tavares como se passou a contra-revolugao. De 19 para 20 de Maio, os patriotas, de todo descorocoados, retiraram-se para Olinda em numero de 6.000, inclusive os escravos e libertos, levando as bagagens, a artilheria e o cofre militar.

��(3) Cogominho cbegara a 1 de Maio a margem sergipana do Sao Francisco.

�� �