Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/263

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


BOM JOAO VI NO BRAZIL 827

cobrindo de opprobio as torturadas existencias dos patriotas agarrados, agrilhoados e transportados para a capitania vi- sinha quando ainda fallecia na rebelde auctoridade para eri- gir tribunal, que nao possuia o almirante nem o marechal Cogominho.

Foi esse o reinado menos violento, mas nao menos pe- rigoso da delagao e da denuncia, e pareceu eternizar-se. Dous annos depois, nao tinham terminado os trabalhos judiciaes da corte especial. Removeram-na para a Bahia a exigencias do capitao general, enciumado na sua auctoridade e tambem nao enxergando mais utilidade n um custoso ap- parelho de justiga que, para justificar sua funcgao, ameagava taxar de cumplicidade na revolta todos os pernambucanos ou melhor todos os Brazileiros das capitanias compromettidas, por onde se extendia a sua jurisdicgao.

A algada de 1817 foi brutalmente abolida pelos acor- tecimentos que responderam no Brazil a revolugao liberal do Porto, de Agosto de 1820, sendo a sua devassa substituida pela acgao regular da justiga que, pela voz da Relagao de Sao Salvador, pronunciou a nullidade do processo, inquinado de vicios, e mandou soltar os presos, com excepgao de Pe- droso e Jose Mariano, accusados de homicidio e condemnaJos a degredo perpetuo - - perpetuo, n um momento em que nad i havia senao ternporario - - para a Asia. Descia o panno sobre este clemente epilogo de um drama de sangue sobre o qual, politicamente, Maler, bom contemporaneo d-e Mar- montel, assim condensava sentenciosamente o seu juizo: L histoire, Mons eign eur, conservera le souvenir de peu d evenements aussi dangereux par les consequences qu il pou- vait avoir, et aussi promptement aussi facilement meme pre- venu dans ses effets/

�� �