Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/539

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM jolo vi tfo BRAZIL 1103

dade, unico capaz de manter os interesses do Reino Unido ( i ) . Arrastada pelo Principe Real, idolo entao dos consti- tucionaes portuguezes do Brazil e que, si o Pai Ihe houvesse dado consentimento, teria prendido os quatro cabecilhas do dia 26, a guarnigao renegava esta passada intimidade e pro- nunciava-se contra qiraesquer juntas provisorias no Rio de Janeiro, protestando querer apenas ver realizarem-se os pia nos de reforma gerados pelas meditagoes e sabedoria das Cortes, e nao projectos concebidos por pessoas obscuras, as quaes tao somente competia obedecerem ao que fosse vontade positiva de Sua Magestade.

Com esta manifestagao militar se acobardaram muito os cabecilhas que estavam terrorizando o Rio, um d elles, o major Almeida, pedindo ate logo o seu passaporte e todos re- ceiando a detengao, quando ate ahi elles eram os que promo- viam as prisoes. Respeitaveis membros da Junta anterior ao novo ministerio foram recolhidos a cadeia, depois de insul- tados, por exigencias dos terroristas ou para escaparem a tratamento peor as maos do povo, a cujo furor assim os sub- trahiram as auctoridades. A versao ultima e crivel si atten- dermos a que, depois do aviso recebido pelos cabecilhas de se nao intrometterem mais nos negocios publicos, os presos fo ram soltos.

A agitagao era o elemento natural d esses personagens, e sem ella nao poderiam mesmo exercer seus talentos malfa- zejos. O conde de Gestas escrevia a 12 de Margo que os ajuntamentos populares augmentavam de parelhas com a indecisao do novo governo, que nnda fazia alem de procla- magoes as quaes, pretendendo ser neutraes, nao satisfaziam partido algum, emquanto que o Rei se arreceiava sem distinc-

��(1) Informacjoes do lo secretario conde do Gostas, em comniu- nicaQSo de 12 de Margo de 1821, ibidem.

�� �