Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/58

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


622 BOM JOAO VI NO BRAZIL

De positive, a 23 de Fevereiro de 1820 firmava-se o r.rmisticio domestico n uma convengao assign ad a pelas ulti mas aucton dades de Buenos Ayres com as forcas da campanha uruguaya e de Santa Fe quc avancavam, tendo adherido a caus,a federalist a o corpo portenho cnviado, de accordo com a nova orientagao poJitica adoptada, para soccorrer Ar- tigas e libertar a Banda Oriental do dominio portuguez. Forentao que a situac/io em Buenos Ayres se tornou extre- mamente confusa, attingindo a peor anarchia.

Quando, depois das festas congratulatorias da reconci- liacao, se retiraram os trocos federaes, entrou Balcarce na cidade com 200 homens, proclamando, a 6 de Marco, a contra-revolucao. Voltaram, porem, a Buenos Ayres os che- fes Ramirez e Lopez, fugindo Balcarce e reapparecendo Sarratea, com quern Lecor trocou saudacoes. Artigas, alias, na sua constante intransigencia, nao approvara a conven^ao de 23 de Fevereiro. O caudilho foi comtudo obrigado a passar para o outro lado do Uruguay por motive da defecgao de Fructuoso Rivera com seus 400 homens, obra da corru- pcao de Lecor, cuja campanha parece haver toda sido mais ca- racterizada pelas intrigas politicas do que pela actividade mi- litar.

De resto Dom Joao VI era o primeiro a preferir os enre- dos as pelejas, comtanto que se alcangasse o resultado vi- sado. A proposito do suborno de Fructuoso Rivera escrevia Maler: "Le Roi en m entretenant de cet evenement en parloit d un air triomphant et se plaisoit \ louer la conduite de son general en chef", (i) O dinheiro de Lecor nao so na Banda Oriental se derramava: tambem em Buenos Ayres se fazia ao mesmo tempo sentir sua influencia.

(1) Officio do 3 de Maio de 1820.

�� �