Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/71

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 635

que, a troco de urn auxilio fornecido pelo Imperio para redu- zir as colonias insurgentes, estava a Hespanha disposta a ceder-lhe Minorca no Mediterraneo e as duas Californias, Alta e Baixa, no Novo Mundo. Nao e possivel deixar de imaginar que si isto houvesse occorrido, a face da terra se apresentaria hoje de algum modo differente: a Russia ha- ver-se-hia tornado uma potencia naval do Mediterraneo, com a sua Malta, e os Estados Unidos nao teriam provavelmente podido adiantar-se ate o Pacifico, pois que os Russos, em vez de Ihes venderem Alaska, se esforgariam desde logo por ligal-a pelo littoral com os seus novos dominios mais ao sul, que sao uma das poucas regioes deliciosas do planeta.

Por seu lado, e attendendo mesmo a intimidade russo- hespanhola, nao queria o gabinete de Londres passar aos olhos do de Madrid por urn governo de ma fe. Ja sir Sidney Smith defendera (i) sua attitude em promover os interesses platinos da Princeza do Brazil pela necessidade politica de convencer a nacao hespanhola, em cujo territorio se ia travar o duello anglo-francez, que a Inglaterra nao esposava no Velho Mundo os direitos de Fernando VII, para intrigar no Novo em favor das pretengoes portugue- zas ou das aspiracoes independentes. No dizer do almirante, collocar Dona Carlota Joaquina na Regencia era equivalente a respeitar e garantir os titulos do monarcha legitimo da Hespanha.

Nem era crivel que, tendo feito as pazes com a Hes panha e cessado ate de promover a separagao de Buenos Ay- res em proveito proprio, se prestasse o governo britannico a fomental-a em beneficio do seu velho alliado portuguez, contentando-se n um justo egoismo com a perspectiva da

(1) M&nioria* cit.

�� �