Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/79

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 643

se teem valido em casos analogos as grandes potencias. Con- siderando mais que por effeito da ultima allianga essas po tencias sao com elle solidarias na extirpagao dos principios revolucionarios, que infelizmente depois de percorrerem o hemispherio americano podem regressar a Europa, o referido soberano deve nutrir a esperanga de achar nos seus Altos Alliados outros tantos fiadores das suas intengoes pacificas e da necessidade politica da expedicao do Prata. A corte de Franga, tendo presente a insurreicao das colonias inglezas e suas fataes consequencias, sera sem duvida a primeira a jus- tificar a politica do gabinete portuguez e a persuadir o de Madrid de adoptar as medidas mais convenientes para re- cuperar o complete dominio das suas colonias."

N outra nota de data posterior (i) voltava o repre- sentante portuguez a explicar que os sublevados orientaes tinham querido agular os indios e negros brazileiros a re- volta, ao mesmo tempo que especuladores estrangeiros in- troduziam annas e munigoes de guerra nos portos do Rio da Prata. N esta nota Brito - - o incommode Brito, que Richelieu achava insupportavel pel as teimosas exigencias e Alaler execravel pelas informacoes pessimistas que minis- trava - - apontava para a circumstancia da expedicao Mo- rillo nao ter por fim tido por destine o Rio da Prata, como Lima prova mais da inconstancia do governo hespanhol e uma nova razao da pouca confianga que ao governo portuguez podia offereccr essa inter vengfio da metropole, que a atti tude irreconciliavel e as correrias de Artigas tornavam o mais urgente.

O encarregado de negocios inglez no Rio, observava Brito, protestara contra a expedigao allegando que S. M.

��(1) 9 de Junbo de 1817,

�� �