Página:Dom João VI no Brazil, vol 2.djvu/83

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


DOM JOAO VI NO BRAZIL 647

todas essas bellas possessoes pertencentes aos dous Sobe- ranos" (i ).

Tal devia ser, a saber, castigar o espirito de rebeldia, o verdadeiro fim da grande confederagao europea que pre- tendia reger os destines do mundo, e como o episodic per- nambucano viera bem a proposito revelar que aquelle espi rito grassava em toda a parte, tanto mais urgindo anni- quilal-o, Fernan Nuiiez astutamente fez rnengao de voltar contra Portugal o argumento de intervengao por pavor do contagio, para rematar sua circular: "O Rei meu amo, viva- mente commovido pelas desagradaveis noticias que Ihe che- garam ultimamente e que permittem enxergar-se o perigo imminente em que se acha no Novo Mundo a monarchia portugueza, encarrega-me de fazer esta communicaqao as Potencias alliadas para provocal-as a se concertarem entre si relativamente a necessidade e meios de center essas desgra- Qas que tendein decididamente a destruigao dos governos e ruina dos Estados."

Como a Santa Allianca tinha por fito conhecido e razao de ser ostensiva o acabar no mundo com o virus republicano, e claro que a Hespanha por todos os meios se servia do es- pantalho revolucionario para enraizar mais fundo as sym- pathias da Europa pela sua causa, a causa por excellencia da legitimidade e da reacgao. No dizer n este ponto algum tanto exaggerado de Maler (2), cedo nao se poderia mais respirar o ar do hemispherio austral sem ao mesmo tempo se respirar os miasmas da revolta, sendo o grande foco pestilencial a cidade de Buenos Ayres, prazo-dado dos sedi- ciosos aventureiros do mundo inteiro.

��(1) Circular cit. 110 Arch, do Min. dos Neg. fist, de ( f 2) Officio de 30 de Junho de 1818.

D. J. 41

�� �