Página:Espontaneidades da minha alma.djvu/113

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

— 113 —


AOS ANNOS DE MINHA MULHER.


Festeja-te o lyrio e a roza —
Dos jardins a mariposa —
Do Trovador a canção!

João de Lemos.


Minha lyra abandonada
Despresada
Torna de novo a afinar
Estes teus sons dissonantes
Mas constantes
Que sabem n’alma vibrar!

Quando partem inspirados
E votados
Pela voz do coração —
Esta voz sempre divina
Por qu’ensina
O d’amor mago condão!

Que condão — doce magia
N’este dia
Sinto em minh’alma infiltrar!
Neste dia só d’aquella
Que singela
Só me soube captivar —

15