Página:Evocações.djvu/39

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


abrir e fechar d'azas archangélicas, d'azas limpidas, d'azas e azas rumorejantes, aflantes, cujo suave e ciciante ruido eu na Imaginação escutava enlevado...

E a doce Mater, mais calma, n'uma uncção de bemaventurança, n'uma auréola déifica, serenada já da dor profunda da Maternidade, parecia penetrada de um sentimento celeste, de fluidos virtuaes do grande Amor, de resignada piedade, — agua lustral, da maternal paixão, que a lavava do mal do torturante peccado, purificando a sua alma simples, illuminando-a toda com o altivo esplendor de uma força heroica.

Lembrava uma d'essas excelsas Divindades espirituaes, a Entidade das Abstracções dos reclusos mysticos, Apparição immortal, cuja face, no resplendor translucido d'aquelle soffrimento regenerante, tinha para mim o encanto mais alto, a ternura mais bella, a abnegação mais serena.

Sentia-me diante de completa Religião nova que evangelisava a Crença n'aquella Mãe e n'aquelle Filho, — inteira Religião nova, cujos rituaes e cultos eternos eram para mim agora esses dous seres extremadamente amados, cujo sangue irradiava no meu sangue, cuja vida penetrava na minha vida, inoculando-a de um jubilo e de uma graça prophética — graça de Anjos e