Página:Fabulas de Esopo.djvu/12

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
8
VIDA

muita festa, zombando do pobre innocente, que com açoutes os havia de pagar. Chegada a hora de comer, pedio o Senhor os figos, e foi-lhe respondido (como tinhão concertado) que Esopo os comera todos. Indignou-se o Senhor, e chamando-o lhe disse: Animal feio e bruto, que atrevimento foi o teu em comeres os figos, que mandei guardar para mim? E com isto o mandou despir para ser açoutado. O pobre Esopo não sabendo que fizesse, porque a lingua não o deixava desculpar em breve, e a colera do Senhor não dava tregoas nem espaço, remetteo com huma panella de agua, que acaso estava ao fogo, e bebendo quantidade della muito quente, metteo os dedos na