Página:Horto (1910).djvu/222

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


E, se o círio, doce e puro,
Pouco a pouco perde a luz,
Como pode ele no escuro
Ver o menino Jesus?

Pobre mãe! não chores tanto
O filho do coração...
Vais apagar com teu pranto
A vela que tem na mão.

Depois ouvirás clamar,
Do Céu entre as níveas gazas:
Ó mãe, não posso voar
Teu pranto molha-me as asas!