Página:Horto (1910).djvu/223

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Não me olhes mais assim... Eu fico triste
Quando a fitar-me o teu olhar persiste
     Choroso e suplicante...
Já não possuo a crença que conforta.
Vai bater, meu amigo, a uma outra porta.
     Em terra mais distante.

Cuidavas que era amor o que eu sentia
Quando meus olhos, loucos de alegria,
     Sem nuvem de desgosto,
Cheios de luz e cheios de esperança,
N’uma carícia ingenuamente mansa,
     Pousavam no teu rosto?

Cuidavas que era amor? Ah! se assim fosse!
Se eu conhecesse esta palavra doce,
     Este queixume amado!
Talvez minh’alma mesmo a ti voasse
E n’um berço de flor ela embalasse
     Um riso abençoado.