Página:Negrinha- Contos (1920).pdf/101

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
                  O COLLOCADOR DE PRONOMES   99

egreja, á missa, troca de olhares, dialogo de flores — o que havia de mais innocente e puro. Depois, roupa nova, ponta de lenço de seda a entremostrar-se no bolsinho de cima e medição de passos na rua d'Ella, em dias de folga.

Depois, a serenata fatal á esquina, com o

Acorda, donzella...

sapecado a mêdo num velho pinho de emprestimo. Depois, um bilhetinho perfumado.

Aqui se estrepou... Escrevera nesse bilhetinho, entretanto, apenas quatro palavras, afóra pontos exclamativos e reticencias:

                      Anjo adorado !
                          Amo-lhe !...
                                           ?...

Para abrir o jogo, bastava esse movimento de peão.

Ora, aconteceu que o pae do anjo apanhou o bilhetinho celestial e, depois de tres dias de sobrecenho carregado, mandou chamar á sua pre-