Página:Negrinha- Contos (1920).pdf/91

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
          O JARDINEIRO TIMOTHEO   89


— Branco não tem coração...


Os novos proprietarios eram gente da moda, amigos do luxo e das novidades. Entraram na casa franzindo o nariz a tudo.

— Velharias, velharias !...

E tudo reformaram. Em vez da austera mobilia de cabiuna puzeram moveis pechisbeques, com velludinhos e frisos doirados. Determinaram o empapelamento das salas, a abertura de um "hall", mil coisas exquisitas... Deante do jardim abriram-se em gargalhadas:

— E' incrivel ! Um jardim destes, cheirando a Thomé de Souza, em pleno seculo das crysandhalias !

E correram-no todo, a rir, a rir, como perfeitos malucos.

— Olha, Yvette, esporinhas ! E' inconcebivel que inda haja esporinhas no mundo ! Que degradação !...

— E piriquito, Odette ! Pi-ri-qui-to ! ! — disse uma das moças, torcendo-se em gargalhadas.