Página:Obras completas de Castro Alves (1921, v 2).djvu/17

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
13
OS ESCRAVOS

      Faz orando tremer.
No descampado o cedro curva a frente,
Folhas e prece aos pés do Omnipotente
      Manda a lufada erguer.

Terra de Santa Cruz, sublime verso
Da epopéa gigante do universo,
      Da immensa creação,
Com tuas mattas, cyclópes de verdura,
Onde o jaguar, que passa na espessura,
      Roja as folhas no chão,

Como és bella, soberba, livre, ousada!
Em tuas cordilheiras assentada
      A liberdade está.
A purpura da bruma a ventania
Rasga, espedaça o sceptro que s’erguia
      Do rijo piquiá.

Livre o tropeiro toca o lote e canta
A languida cantiga com que espanta
      A saudade, a afflicção.
Solto o ponche, o cigarro fumegando
Lembra a serrana bella, que chorando
      Deixou lá no sertão.

Livre como o tufão corre o vaqueiro
Pelos morros e vargea e taboleiro