Página:Obras completas de Castro Alves (1921, v 2).djvu/18

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
14
CASTRO ALVES

      Do intrincado sipó.
Que importa’os dedos da jurema aduncos?
A anta, ao vel-os, occulta-se nos juncos,
      Voa a nuvem de pó.

Dentre a flor amarella das encostas
Mostra a testa luzida, as largas costas
      No rio o jacaré.
Catadupas sem freios, vastas, grandes,
Sois a palavra livre d’esses Andes
      Que além surgem de pé.

Mas o que vejo? E’ um sonho!... A barbaria
Erguer-se n’este seculo, á luz do dia,
      Sem pejo se ostentar.
E a escravidão — nojento crocodilo
Da onda turva expulso lá do Nilo —
      Vir aqui se abrigar!.

Oh! Deus! não ouves d’entre a immensa orchesta
Que a natureza virgem manda em festa
      Soberba, senhoril,
Um grito que soluça afflicto, vivo,
O retinir dos ferros do captivo,
      Um som discorde e vil?

Senhor, não deixes que se manche a tela
Onde traçaste a creação mais bella