Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v1.djvu/111

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


E os ais que pela noite, no silêncio,
Arquejam no seu peito delirante!
 
E quando sofre e padeceu... e a febre
Como seus lábios desbotou na vida...
E sua alma cansou na dor convulsa
E adormeceu na cinza consumida!
 
Talvez terias dó da mágoa insana
Que minh'alma votou ao desalento...
E consentirás, ó virgem dos amores,
Descansar-me no seio um só momento!
 
Sou um doudo talvez de assim amar-te,
De murchar minha vida no delírio...
Se nos sonhos de amor nunca tremeste,
Sonhando meu amor e meu martírio...
 
E não pude, febril e de joelhos,
Com a mente abrasada e consumida,
Contar-te as esperanças do meu peito
E as doces ilusões de minha vida!
 
Oh! quando eu te fitei, sedento e louco,
Teu olhar que meus sonhos alumia,