Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v2.djvu/248

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Macário: Que risada infernal. Não vês que tremo? que o vento que me trouxe esse ai me arrepiou os cabelos? Não sentes o suor frio gotejar de minha fronte?

Satan (riso): Ah! ah! ah!

Macário: Satan! Satan! Que ai era aquele?

Satan: Queres muito sabê-lo?

Macário: Sim! pelo inferno ou pelo céu!

Satan: É o último suspiro de uma mulher que morreu, é a última oração de uma alma que se apagou no nada.

Macário: E de quem é esse suspiro? por quem é essa oração?

Satan: De certo que não é por mim. . . Insensato, não adivinhas que essa voz é a de tua mãe, que essa oração era por ti?

Macário: Minha mãe! minha mãe!