Página:Obras de Manoel Antonio Alvares de Azevedo v2.djvu/279

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


de visões fervorosas, meus dias de delírio. Eu amei essa mulher. Eu a segui passo a passo na minha vida. Deite-me na calçada da rua defronte de sua janela, para ouvir a sua voz, para entrevê-la a furto branca e vaporosa, para respirar o ar que ela bebia, para sentir o perfume de seus cabelos e ouvir o canto de seus lábios. Eu amei muito essa mulher. E por vê-la uma hora ao pé de mim – semi nua- embora fosse adormecida-só por vê-la, e por beijá-la de leve-eu daria minha vida inteira ao nada. E essa mulher, essa mulher

Penseroso: Que tem, fala ..

Macário: Adeus, Penseroso. Eu pensei que tu me acordavas a vida no peito. Mas a fibra em que tocaste e onde foste despertar uma harmonia é uma fibra maldita, cheia de veneno e de morte. Adeus. Penseroso. Ai daquele a quem um verme roeu a flor da vida como a Werther! A descrença é a filha enjeitada do desespero. Faust é Werther que envelheceu, e o suicídio da alma é o cadáver de um coração. O desfolhar das ilusões anuncia o inverno da vida.

Penseroso: Onde vais, onde vais?

Macário: Onde vou todas as noites. Vagarei à toa pelos campos