Página:Obras poeticas de Ignacio José de Alvarenga Peixoto (1865).djvu/271

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
265

Se é tempo de professar
De taful o quarto voto,
Procurai capote roto,
Pé de banco de um bilhar,
Que seja sabio piloto
Nas regras de calcular.

Se vos mandarem chamar
Para ver uma funcção,
Respondei sempre que nâo,
Que tendes em que cuidar:
Assim se entende o rifão:
Quem está bem deixa-se estar.

Deveis-vos acautelar
Em jogos de paro e topo,
Promptos em passar o copo
Nas angolinas do azar:
Taes as fabulas de Esopo,
Que vós deveis estudar.

Quem falla, escreve no ar,
Sem pòr virgulas nem pontos,
E póde quem conta os contos,
Mil pontos accrescentar;
Fica um rebanho de tontos
Sem nenhum adivinhar.