Página:Stradelli 1929 vocabularios.djvu/728

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
VOCABULARIO NHEÊNGATÚ-PORTUGUEZ
727

nheé iné arama nhaã iaué catú, maárecé xacuau maa ce rubá omunhã ne aruma.”

     Iautí onheê: “Tenupá oicó, ixé xury xa uacemo aé. Aramé cuíre, paranã. xasó ne suí; remaên ramé cury ixé ne paia reyuéra irumoána.”

     Paranã onheê: “Ten reiauky ce rubá irumo! Tenupá okyri.”

     Iauti onheê: “Cuíre supíce rurí catú; paranã xasó rai.”

     Paranã osuaxara: “A! iautí iné ipó reiuiutyma putare mocoi ué!”

     Iauti onheê: “Intimaã xa-icó ára uyrpe itá arama; cuíre xasó xamaõ kirimbáua pire uaá ce sui; eré paranã, xasó rai.”

     Iauti osóána; paranã miri remeyua rupí ouacémo tapiira.

     Iauí onheê cuáa iaué: “Xaucémo indé o intimaã? Cuíre remaê ee irumo. Ixé, paá, apyaua.”

     Opuri tenondé tapiira rapiá opé.

     Cuaí onheê: “Tatá, paá psapy opai rupí.”

     Iauti opûri kirimbasáua irumo tapiira rapiá recé.

     Tapiira iacanhemo opáca.

     Tapiira cuaí onheê: “Tupana recé catú, iautí, rexari ne rapiá.”

     Iauti osuaxára: “Ixé intimaã xaxari, maãrecé xamaê putari ne kirima-uasána.”

     Tapiira onheê: “Aramé aicó xasó”.

fallo para ti assim, porque sei o que meu pae te fez.”

     O jabuti disse: “Deixa estar o que é, eu o acharei logo. Então paraná, agora saio de ti. quando me vires eu estaria com o cadaver de teu pae.”

     O paraná disse: “Não bulas com meu pae! Deixa dormir”.

     O jabuti disse: “Agora certo me alegro bem; paraná, já vou.”

     O paraná respondeu: “Ah! jabuti, tu queres fazer-te enterrar outra vez!”

     O jabuti disse: “Não estou no mundo para pedra; agora vou ver si é valente mais do que eu.”

     O jabuti foi pela vara do paraná miri, encontrou a anta.

     O jabuti disse deste modo: “Encontrei-te ou não? Agora te has de avir commigo. Eu, dizem, sou macho!”

     Pulou adeante nos escrotos da anta.

     Disse assim: “O fogo, dizem, queima por toda a parte.”

     O jabuti pulot com valentia sôbre os escrotos da anta.

     A anta assustada acordou.

     A anta assim disse: “Pelo bom Deus, jabuti, larga os meus escrotos”.

     O jabuti respondeu: “Eu não deixo, porque quero ver a tua valentia.”

     A tapiira disse: “Então estou indo”.